Conhecendo a cidade

Copenhagen é uma cidade agitada, como muitas outras capitais que eu conheço: gente por todo lado, moradores e turistas.  Pessoas indo ao trabalho, levando as crianças prá escola, pegando ônibus, metrô, trem.  Porém em Copenhagen, a grande diferença é que, a maior parte das pessoas faz isso tudo de bicicleta!  Sim, as bicicletas estão por toda parte, em ciclovias muito bem demarcadas, com semáforos e sinalizações de trânsito semelhantes às que estamos acostumados. Como a cidade é em grande parte muito plana, isso facilita muito a vida de quem opta por esse tipo de transporte.

img_0204
Estacionamento de bicicletas em Norreport

 

Muitas bicicletas são adaptadas com uma espécie de, como vou explicar, uma cesta grande, capaz de levar um adulto.  E nestas cestas são transportados adultos, crianças, cães e até compras.

bicicleta-1-de-1-2
Uma das bicicletas com uma cesta coberta, usada para proteger o transportado da chuva.

Hospedagem

Por indicação de um amigo dinamarquês, ficamos hospedados no bairro Nørrebro, um dos mais multiculturais da cidade.  Por lá se encontra de tudo: restaurantes, supermercados, pequenos comércios, além de a localização ser excelente: 10 minutos de ônibus ou 30 de caminhada até Nørreport, bem no centro de Copenhagen.  Fiz o trajeto algumas vezes à pé para ir conhecendo com calma.

bicicletas-norrbro-1-de-1
Rua e bicicletas de Norrebro

Prá lá e pra cá

Tivemos uma sorte danada com o clima nos dias que passamos na cidade: muito sol e calor, sim calor!!! Em pleno início de outono, confesso que não fui preparada para temperaturas de 25, e no meu segundo dia na cidade, comprei uma bermuda para ficar mais confortável nas minhas caminhadas.  E como andei, em média de 15 km por dia.  Para mim é a melhor maneira de conhecer com calma uma cidade, observar o movimento das pessoas e parar sempre que algo interessante chamar a atenção.

Mas claro que acabei usando também o transporte público sempre que os pés pediam socorro, rsrs, e percebi também que o sistema é bem eficiente.  A cidade tem duas linhas de metrô, 6 de trem e inúmeras linhas de ônibus com intervalos muito curtos entre um e outro.  O máximo que fiquei esperando um foram 5 minutos, detalhe, num domingo perto das 23h.

Transporte público por lá não é barato para os nosso padrões: uma passagem única, que dá direito a usar qualquer um dos transportes em um intervalo de uma hora custa o equivalente a R$12,00 para 2 zonas (que cobre a maior parte da área central da cidade).  Há opções de comprar bilhetes para 24 horas e para múltiplos dias com algum desconto.  Neste site é possível verificar os valores atualizados:  http://www.visitcopenhagen.com/copenhagen/transportation/tickets-prices

No centro da cidade pode-se fazer tudo à pé.  Se a ideia for fazer compras, seja de marcas famosas ou souvernirs locais, vale dar uma caminhada pelos calçadões de Indre By. Nesta região, encontrei uma lojinha de produtos dinamarqueses, a Søstrene Grene.  Lá podem ser encontrados itens úteis (e alguns não tão úteis assim, rsrs).  Tem coisas para cozinha, papelaria e até doces, tipo de loja de onde sempre saio com alguma descoberta.

Uma outra dinamarquesa do mesmo tipo, porém menos sofisticada é a Flying Tyger.  Como o próprio slogan da loja, lá é possível encontrar objetos dos sonhos e coisas que você nem sonhava que exisitiam. Esta loja está espalhada por várias partes da cidade e por outros países vizinhos.

Mas se comprar não for o objetivo, vale a pena andar pela região do mesmo jeito para contemplar a arquitetura.

rundetarn-1-de-1
Rundetarn

Bem pertinho da estação Nørreport está o Jardim botânico, um lugar para respirar aliviado bem no centro da cidade.  Locais e turistas aproveitam os gramados verdinhos nos dias de sol como se estivessem na praia.  Verdade, alguns até de roupa de banho mesmo.

jd-botanico-1-de-2
Jardim Botânico
jd-botanico-2-de-2
Jardim Botânico

 

Caminhando um pouco mais na região central, cheguei ao local que mais gostei na cidade: Nyhavn.  A região que no passado era um porto movimentado, agora abriga casas que foram renovadas onde estão instalados bares e restaurantes.  O local fica especialmente charmoso ao por do sol.

jd-botanico-1-de-1
Nyhavn

Agora, sem dúvida nenhuma o local mais curioso de Copanhagen é Cristiania, uma comunidade alternativa na região central da cidade que tem suas próprias leis.  O local foi estabelecido em 1971 por um grupo de hippies que ocuparam a área e criaram suas próprias regras sociais, completamente independente do governo Dinamarquês.  Desde então a permanência da área vem sendo discutida com o governo.

Cristiania é um misto de casas, galerias, lojinhas e restaurantes, tudo com uma característica muito alternativa.  É possível visitar por conta própria porém não é permitido tirar fotos, especialmente em algumas áreas indicadas, mas na entrada e na saída tiramos algumas e não percebemos nenhuma oposição dos locais.

Ainda na área de Cristiania, porém for a da comunidade, está a igreja de Nosso Salvador (Church of our Savior).  Recomendo fortemente uma visita e principalmente, encarar os 400 degraus da escadaria estreita até o topo da torre, que proporciona uma vista excelente da cidade.

vista-igreja-nosso-salvador-3-de-3vista-igreja-nosso-salvador-2-de-3vista-igreja-nosso-salvador-1-de-3